quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Politicos Corruptos, em Portugal?

Caros,

Estava surfar na net quando descobri que o Sr. Armando Vara, vai ser o novo director para África da cimenteira Camargo Corrêa.

Depois do que este senhor fez... de todas as trapalhadas e trafulhices vai para um asilo dourado, quando devia era estar na cadeia.

Este pais já não tem coluna vertebral, a corrupção é generalizada e as pessoas toleram e acham normal. Hoje a corrupção já não está no governo, na justiça, nos partidos, nos funcionários públicos, não... não está... está no nosso ADN, faz parte de nós...

Por isso vou transcrever este excelente texto, escrito em 2008 por Luís Alves de Fraga a proposito do bastonário da ordem dos advogados e publicado no blog "Fio de Prumo", que me parece cada vez mais actual.

Corrupção é coisa que não existe em Portugal! Isto, toda a gente sabe! Aliás, todos nós nunca convivemos com corrupção! Nem com ilegalidades! E o mal é este de sermos completamente virgens e, consequentemente, inocentes, em tais matérias.
 
Vou dar-me como exemplo. Filho de uma família da pequena burguesia urbana de Lisboa, nascido durante os anos difíceis da 2.ª Guerra Mundial, convivi, ainda criança, com as célebres senhas de racionamento e as infindáveis bichas, ou como agora se diz, fugindo ao brejeiro brasileirismo, filas do peixe e de outros géneros com que a minha Mãe tinha de alimentar a família. Claro que nessa época de falta e consumo controlado nunca houve falcatruas, nunca houve padeiro que fizesse misturas ilícitas na farinha, nem distribuidor de leite que tivesse urinado no dito para acrescentar mais um litro ao precioso líquido necessário ao alimento das crianças! Não, porque em Portugal sempre imperou a honestidade! Claro que não houve armazenistas que praticassem o açambarcamento para depois venderem mais caro o que haviam comprado a preço de dez réis o mel coado! Claro que nunca houve fortunas feitas de um dia para o outro e que ninguém sabe explicar! Claro que muitos homens da minha idade que usufruíram de uma excelente vida, quando os pais haviam nascidos tão pobres como Job, não fazem ideia nenhuma do que tenha sido corrupção e desonestidade! Foram milagres! Foram outras tantas Senhoras de Fátima que apareceram a uns pobres pastores conferindo-lhes poderes mágicos para ficarem ricos como Ali-Babá! Porque corrupção nunca houve em Portugal!
 
Senhores chega de ironia!
Eu cresci os meus primeiros anos a conviver com corrupção e com corruptos! Digo-o sem qualquer tipo de receio.
Quando ia, diariamente, às compras com a minha Mãe bem ouvia ela dizer ao talhante lá do bairro: — Senhor António, um quilograma de bifes, mas dos especiais — e lá ia o senhor António à câmara frigorífica especial tirar um bom naco de carne tenrinha e cortar os desejados bifes. Bifes que eram vendidos acima do preço tabelado, claro está! A minha saudosa Mãe, na ânsia de pôr na mesa o melhor, de alimentar a família com carne, peixe, manteiga, chouriço e outros artigos de qualidade extra, alimentava, também, contra-vontade, a corrupção dos pequenos comerciantes que, entretanto, já tinham vivendas nos arredores de Lisboa.
Foi com esta corrupção que eu cresci.
Com ela cresceram todos os jovens da minha geração e das gerações mais próximas. Habituámo-nos a ver pactuar com a falcatrua. Mais. Habituámo-nos a fazer parte da falcatrua. Mas, estávamos, vão-me dizer, em ditadura! Uma vez mais, tenho de dizer: claro! Estávamos em ditadura e se não houvesse esta cedência perante a corrupção iríamos comer os bifes mais duros que houvesse nos talhos de Lisboa, nos talhos de Portugal! Iríamos, nós a gente da chamada classe média remediada ou abastada, porque os pobres nem bife tinham para comer…
 
O medo da denúncia política cresci eu com ele, convivi com ele. Todavia, tive, também, sempre medo das consequências da denúncia da corrupção, por causa das consequências… Depois não havia à mesa aquelas coisas boas de que eu tanto gostava!
Foi este sentimento que moldou gerações e gerações de Portugueses e possibilitou que nuns se fosse implantando a cumplicidade do silêncio e noutros a certeza da impunidade.
 
Quando um afoito bastonário da Ordem dos Advogados vem dizer «existe em Portugal uma criminalidade muito importante, do mais nocivo para o Estado e para a sociedade, e que andam por aí impunemente alguns a exibir os benefícios e os lucros dessa criminalidade e não há mecanismos para lhes tocar. Alguns até ostensivamente ocupam cargos relevantes no Estado português» há cadeiras que estremecem como resultado do tremor que se apoderou de quem nelas está sentado. António Marinho Pinto não tem medo de comer bifes duros ou, até, de não comer bifes! Mas o tremor de quem treme não resulta do medo… provém da raiva. Raiva, porque alguém com responsabilidades na sociedade civil ousou fazer uma acusação que muitos fazem sem terem a audição do bastonário.
O impoluto engenheiro Cravinho já havia sugerido, em tempos, a aprovação de uma lei contra a corrupção… Despacharam-no para bem longe! Igual sorte teve Ferro Rodrigues. Será que vão mandar Marinho Pinto para outro lugar que não aquele que os seus pares lhe atribuíram?
 
O bastonário, face aos níveis de corrupção que todos os dias se verificam no nosso país, tinha de começar por algum lado e começou por atacar o Governo, pois dele dimana o exemplo — o mau e o bom. Agora, clama-se que Marinho Pinto tem de fazer prova, denunciando. Ora essa! A prova de inocência tem de ser feita pelo acusado; por todos quantos, como há sessenta anos ocorreu, de um dia para o outro, deram sinais exteriores de riqueza! Cabe ao Estado identificar esses sinais e, se o Estado nada receia, porque nada receiam os seus agentes, deve pedir as explicações que entender.
 
Claro que Marinho Pinto sabe, tão bem como eu sei, que as suas palavras só vão servir para ocuparem um parágrafo — pequeno — na História da actualidade, porque Portugal, todo o Portugal, todos nós, é uma Nação de corruptos. Corruptos, porque colaboramos passivamente com a corrupção ou porque somos agentes activos da mesma. Cada um que escolha o lugar que mais lhe convém!
Eu, tal como o bastonário da Ordem dos Advogados, já optei: acuso. O leitor fará como melhor lhe convier.

Meditem bem nisto... para mudar Portugal é preciso que cada um de nós mude, para podermos mudar e dar a volta a isto, é preciso gente honesta que diga... BASTA!!! Chega de tanta corrupção... é por causa dela que estamos na cauda da europa.

Cumprimentos cordiais

Luis Passos

2 comentários:

  1. O QUE EU PENSO DA POLÍTICA.

    A melhor comparação que faço da política brasileira. Como sempre, salvo as raras e honrosas exceções. Pois há muitos políticos bons, mas a maioria sem sombra de duvida são picaretas. Tempos atrás eram, segundo o sindicalista Lula, trezentos, mas agora, com o avanço da tecnologia e o aumento desenfreados da impunidade, esse numero deve ter no mínimo triplicado. Imaginem um troço de fezes, quando ele esta estático, de preferência sobre o sol, o mesmo cria uma espécie de película protetora, a qual impede que o mau cheiro se propague, com isso não afeta muito nosso olfato, mas quando alguém mexe e remexe o referido, o cheiro fica insuportável.
    A política brasileira, e todas as políticas de países de terceiro mundo, e também, com menos intensidade nos países do primeiro mundo. É a mesma coisa. Às vezes, durante um tempo, às coisas parecem estar tudo mais ou menos bem, mas subitamente surge uma noticia de uma nova corrupção, este fato passa a ser investigado, nesse momento inicia-se uma cassada aos culpados. Mas por incrível que possa parecer, ao invés de contratarem detetives para esclarecer os fatos. Imaginem eles contratam pizzaiolo. Depois deste procedimento não há possibilidade de haver justiça, o que temos como resultado é pizza. É como se estivesse mexendo e remexendo em algo muito podre, logo começa a exalar um mau cheiro, terrível, insuportável. Se alguém tiver uma definição melhor do que esta para a política, que me passe esta informação ficarei muito grato.

    Esta crônica foi extraída do livro Crônica, indagações e teorias. Autor Paulo Luiz Mendonça.

    http://pauloluizmendonca.judblog.com

    ResponderEliminar
  2. OS MAUS INTENCIONADOS

    Nós temos o hábito de criticar a política, dizendo que os políticos são corruptos, aproveitadores do estado. Isso não é verdade, os políticos verdadeiros estão na política, porque almejam um melhor futuro para nosso país. Eles estão lá para criarem leis que possam influenciar no nosso progresso. O que temos que entender na política, é saber separar o que é político verdadeiro, e aqueles estelionatários que vêem na política um campo fértil para a aplicação de seus golpes. Estes estelionatários sabem que o controle das finanças do país é extremamente vulnerável, sendo assim eles como são possuidores de uma inteligência privilegiada, a qual é voltada para a maldade, se locupletam com esta vulnerabilidade do estado. Na verdade estes não são políticos são na verdade estelionatários disfarçados de políticos.
    Temos solução para este problema? Sim temos; a solução é em primeiro lugar, escolaridade adequada, em seguida, politizar o nosso povo, para que nós cidadãos comum possamos ter discernimento adequado na hora de escolher nossos representantes para exercer cargos políticos.
    Infelizmente há pessoas que procurando somente seu bem-estar sem se importar com o todo da população, vota em candidatos duvidosos, que o mesmo, depois de eleito lhe conseguirá um bom emprego. Isso na verdade é compra e venda do voto. Este procedimento na verdade é imoral, porque este cidadão ao vender seu voto, estará prejudicando a população como um todo. Qual conclusão, nós tiramos disso. Este fato acontecendo em todo nosso país é o que tem nos levado ao caos total. Enquanto uma minoria tem suas situações resolvidas, conseguindo seu emprego, muitas vezes sem merecer, a maioria da população esta a mercê de políticos inescrupulosos, que se locupletam nos cofres do estado.

    Esta crônica foi extraída do livro Crônicas indagações e teorias autor Paulo Luiz Mendonça.

    ResponderEliminar